“Ensina-nos a contar os nossos dias para que nosso coração alcance sabedoria” (Salmos 90:12)

Chi è più furbo?
9 Maggio 2020
Il bene non fa rumore ed il rumore non fa bene!
16 Maggio 2020

“Ensina-nos a contar os nossos dias para que nosso coração alcance sabedoria” (Salmos 90:12)

Introdução

Esperamos atraves deste, prover alimento para reflexão e exame de consciência para a celebração eucarística (4º domingo de Páscoa) do Grande Priorado da Ordem de Malta. Antes de tudo é preciso lembrar de Fra Giacomo, 80 ° Principe e o Soberano Grão-Mestre da Ordem de Malta, que retornou aos braços daquele Deus, a quem deu sua vida como religioso, em 29 de abril passado, a Festa de Santa Catarina de Siena. No mesmo dia em que foi eleito tenente da Ordem em 2017. 

Depois desta lembrança pessoal, à luz do desaparecimento do Grão-Mestre e continuando na reflexão anterior sobre a vida como um presente de Deus que não pode ser desperdiçado, proponho algumas ponderações para examinarmos a consciência nesta celebração eucarística, onde a liturgia da Palavra nos lembra Cristo Bom Pastor, Senhor da vida que cuida de cada um de nós. Em particular, como proceder para identificar o que poderíamos indicar como pecado ‘dominante’.

In memoriam

Há alguns anos atrás, conheci Fra Giacomo, durante seu serviço como Prior do Grande Priorado de Roma, e ainda não sei por que ele me perguntou, logo depois, se eu estava disponível para ouvir as confissões todos os domingos, durante a Missa Conventual às 11h00 na Capela Palatina da Praça do Grillo. Eu também já havia conheco seu irmão, prof. Giuseppe Dalla Torre e outros conhecidos comuns da Ordem de Malta. Depois de alguns anos, recebi a proposta de entrar na Ordem como capelão. Descobri que a iniciativa havia começado com ele e foi ele quem presidiu a cerimônia de posse. Sempre tive uma relação de confiança e respeito mútuos com ele, que continuou, embora muito mais esporadicamente, após sua eleição como Grão-Mestre. A esse respeito, permito-me compartilhar uma memória pessoal que, em minha opinião, sem explicação e comentário, manifesta a personalidade de Fra Giacomo. Logo após sua eleição, eu o encontrei na estação Tiburtina em uma quinta-feira, onde ele estava servindo aos ‘pobres cavalheiros’. Espontaneamente, virei para ele com o título que ele merecia de ‘Alteza’ e nós dois nos abraçamos. Alguém que nos acompanhava me fez entender que esse tipo de saudação não era ‘apropriado’. No final do culto, Fra Giacomo veio me procurar sozinho, e quase se desculpando, ele me disse: “P. Bruno, eu era e continuo sendo Fra Giacomo: por favor, ore por mim! “. Fra Giacomo: um humilde religioso que sempre se sentiu “a serviço” da Ordem de Malta e da Igreja e nunca os “serviu”.

Eu continuo orando, vamos continuar orando por ele! Embora ele não esteja mais fisicamente presente entre nós, ele está vivo porque, como a liturgia nos lembra, na fé sabemos que com a morte “… a vida não é tirada, mas é transformada; e enquanto a morada deste exílio terrestre é destruída, está sendo preparada uma habitação eterna no céu “(Prefácio dos mortos I).

Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem. (Rom 12:21)

A morte de Fra Giacomo, sua grande humildade e senso de fé, me lembrou a cena comovente do funeral de Rudolf of Habsburg no filme “O destino de um príncipe”, dirigido por Robert Dornhelm em 2006. O Oficial da Corte, com muita decisão, então bateu na porta atrás da qual estava o Guardião dos Capuchinhos, que perguntou em latim: “Quem é ele?”. O oficial, com voz firme e imperiosa, respondeu listando a longa série de títulos que por direito pertenciam ao falecido Asburgo. No final da lista, o Guardião respondeu resolutamente, desconhecido! (nós não sabemos). O oficial bateu pela segunda vez e, quando o Guardião lhe perguntou, ele anunciou a presença de “Sua Majestade Imperial”. Mais uma vez o frade respondeu: desconhecido! Depois de uma breve pausa, o oficial ainda bateu, desta vez levemente. O Guardião perguntou pela terceira vez: “Quem é ele?” Resposta: “Um pecador, nosso irmão”. Neste momento o Guardião abriu a porta e permitiu que os restos mortais do Imperador acessassem seu último lar eterno.

Além de sua veracidade histórica, o que é relatado nos oferece a oportunidade de refletir sobre nosso estado pecador, ou seja, de pessoas que não têm o objetivo, como vimos

(http://www.padrebruno.com/riscopirsi-e-rendersi -il-dono-della-vita /;

http://www.padrebruno.com/senso-di-colpa-o-senso-del-peccato-esame-di-coscienza-o-dincoscienza ),

desperdiçam o presente da vida. De fato, reconhecer que somos pecadores só é possível se primeiro conhecermos e experimentarmos o amor de Deus (1 Jo 4). Santo Agostinho nos lembra: “Não há ninguém que não ame, a questão é saber o que se deve amar.” Não somos exortados a não amar, mas a escolher o objeto de nosso amor. Mas o que escolheremos se não formos escolhidos primeiro? Porque não amamos, se não somos amados primeiro. Ouça o apóstolo João: Nós amamos porque ele nos amou primeiro (I Jo 4:10). Busque o homem a razão pela qual ele deve amar a Deus e encontrará apenas isso: porque Deus o amou primeiro. Aquele a quem amamos já se entregou por nós, se deu para que pudéssemos amá-lo “(Disc. 34, 1-3. 5-6; CCL 41, 424-426). Por outro lado, a redenção ocorre apenas quando alguém se conscientiza de ter feito algo errado, e é isso que estamos lutando para reconhecer e compreender hoje. Mesmo chegando ao ponto de chamar o mal de bom ou, de qualquer forma tentar nos justificar, por vezes culpando o outro, a sociedade, o Estado, a Igreja. De fato, nada de novo sob o sol: Adão culpou Eva e ela, a serpente (Gn 3: 12-13).

Uma verdadeira loucura, uma ilusão que nos afasta de Deus e nos coloca em conflito entre nós mesmos: para quem e para quê? A esse respeito, proponho que você reflita sobre a seguinte passagem de Giovanni Guareschi, que me parece ilustrar esteticamente a referida situação. Don Camillo abriu bem os braços [de frente para o crucifixo]: ‘Senhor, que vento de loucura é esse? Estaria o círculo prestes a fechar e o mundo correndo em direção à sua rápida autodestruição? ” Don Camillo, por que tanto pessimismo? Meu sacrifício teria então sido em vão? Minha missão entre os homens falharia, portanto, pois a maldade dos homens é mais forte que a bondade de Deus? ‘Não senhor. Eu só queria dizer que hoje as pessoas só acreditam no que veem e tocam. Mas há coisas essenciais que não são vistas nem tocadas: amor, bondade, piedade, honestidade, modéstia, esperança. E fé. Coisas sem as quais não se pode viver. Essa é a autodestruição de que eu estava falando. Parece-me que o homem está destruindo toda a sua herança espiritual. A única riqueza verdadeira que ele acumulou ao longo de milhares de séculos. Um dia, não muito longe, ele se encontrará como o bruto da caverna. As cavernas serão arranha-céus altos, cheios de máquinas maravilhosas, mas o espírito do homem será o do bruto das cavernas […] Senhor, se é isso que vai acontecer, o que podemos fazer? Cristo sorriu: ‘O que o camponês faz quando o rio transborda das margens e invade os campos: a semente deve ser salva. Quando o rio voltar ao seu leito, a terra ressurgirá e o sol a secará. Se o fazendeiro salvou a semente, ele pode jogá-la na terra ainda mais fértil pelo lodo do rio, e a semente dará frutos, e as orelhas túrgidas e douradas darão aos homens pão, vida e esperança. A semente deve ser salva: fé. Don Camillo, devemos ajudar aqueles que ainda têm fé e mantê-la intacta. O deserto espiritual se estende todos os dias, e novas almas secam porque abandonam a fé. Todos os dias mais homens de muitas palavras sem fé destroem a herança espiritual e a fé dos outros. Homens de todas as raças, de todas as origens, de todas as culturas “(G. Guareschi, Don Camillo e Don Chichì, em Tutto Don Camillo, vol. II, Milão 2008, pp. 3114-3115).

Salvar a semente da fé, em termos concretos, também significa liberdade do pecado, que a torna fria, inoperante e, portanto, insignificante. Vimos o que é o pecado contra Deus, e em relação a nós mesmos e ao próximo, mas como devemos nos comportar para não nos tornar escravos do pecado em nome de uma falsa realização da liberdade? (cf. 2 Pedro 2:19). Os Pais espirituais sempre nos aconselham a não nos perdermos nesse caminho de conversão, mas a identificar honestamente qual pecado, neste momento, me afasta da minha verdadeira felicidade, que é realizada apenas e exclusivamente na medida em que estou unido a Deus. ” ancião: ‘O que fazer? Uma multidão de pensamentos faz guerra contra mim e não sei como resistir. O ancião disse: “Nunca lute contra todos, mas apenas contra um. Pois todos os pensamentos dos homens têm um só princípio. Devemos, portanto, examinar o que esse pensamento realmente é e qual é sua natureza, e depois lutar contra ele. Então todos os outros pensamentos perderão sua força.”(Apoftegma – Provérbios dos Pais).

Portanto, neste exame de consciência, pergunte-mo-nos honestamente o quê, neste momento da minha vida, o pecado que me domina, me torna escravo e não me permite viver na liberdade do filho de Deus. Vamos reconhecê-lo como tal, pedir perdão e com a graça de Deus, assumimos o compromisso de não cometer no futuro. Não comprometendo nossas forças, nossa vontade de reprimir a nós mesmos, mas antes de tudo descobrindo que cometer isso é contra Deus, contra mim, contra meus irmãos. Que cometer isso realmente significa desperdiçar minha existência, pois algo que eu sempre tive consciência nunca suprirá minha necessidade de amor e que, por outro lado, o compromisso deve ser não me deixar vencer pelo mal, mas vencer o mau com o bem (Rm 12, 21). Somente assim aprenderemos a contar nossos dias para que nosso coração alcance sabedoria (Sl 90, 12).

O bom exame da consciência e o Santo Domingo do Bom Pastor, o Mediador que manifesta a doação de Deus para nós, Aquele que nos alcança, nos ilumina com fé, nos transforma com graça, nos guia com sua palavra, seus sacramentos e sua autoridade.

Roma, Angelicum, 14 de maio de 2020

P. Bruno, O. P.


Agradecimentos sinceros a Susan Petrone e Lina Garcia Braun pela tradução para o português.